09 de agosto de 2017 01:31

Serviço ressocializa pacientes com transtornos

Residência Terapêutica funciona na Pituba

Por Redação

_t7y8973Cerca de 700 milhões de pessoas no mundo possuem algum tipo de transtorno mental. Esse número representa 13% do total de doenças existentes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Buscar formas ainda mais humanizadas de tratar e ressocializar esses pacientes, tirando-os da condição de invisibilidade social, familiar e de si mesmo, para se tornarem protagonistas de suas próprias histórias. Este é o objetivo do programa da Residência Terapêutica Holiste, localizada no bairro da Pituba, em Salvador. O serviço oferece aos pacientes mentais crônicos um espaço de moradia, com apoio de um trabalho psicossocial, atuando de forma conjunta com acompanhamento psiquiátrico, além de suporte de uma equipe multidisciplinar de cuidados.

“A realização desse projeto atende ao desafio de olhar o paciente para além da medicina, pois, apesar de sua doença, o nosso foco são as suas necessidades e desejos enquanto pessoa, que vão dos mais elementares cuidados básicos às suas demandas por atenção, cuidado e interação social”, explica Sandra Simon Siqueira, diretora técnica da Holiste.

Os moradores recebem cuidados intensivos, 24 horas por dia, com uma equipe multidisciplinar composta por psicólogos, terapeutas e fisioterapeutas, além de médicos psiquiatras que podem dar o suporte psicossocial necessário aos pacientes. “A finalidade da residência terapêutica é de contribuir para resgatar o paciente como ser existente, retomando suas atividades como um cidadão, além de resgatar os vínculos afetivos familiares”, explica Isabel Castelo Branco, acompanhante terapêutica e uma das coordenadoras da Residência Terapêutica Holiste.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*